Quem vota contra benefícios para o povo e em oposição ao desenvolvimento e funcionamento correto da máquina pública quer o bem da cidade e da população? 

Qual a intenção de um representante do povo ao travar projetos que mantém o funcionamento correto do município, contas em dia com fornecedores, serviços essenciais e importantes dentro da total legalidade que determina a legislação vigente?.

Esses e outros questionamentos e dúvidas ecoaram aos quatro cantos da cidade de Itagimirim, na terça-feira (14/12) após sessão na Câmara Municipal. Os moradores acompanharam indignados o resultado da votação sobre o projeto de lei 13/2021 que solicitou suplementação de 50% do orçamento de 2021 da prefeitura.

A decisão final foi adiada para o próximo dia (21/12), mesmo já tendo estourado o prazo regimental que é de 45 dias e com a manifestação favorável a votação e aprovação da suplementação por sete dos nove vereadores. 

O vereador da oposição, Epaminondas Portugal (PL), em tom agressivo, foi o único contrário ao projeto fundamental para o município conseguir dar prosseguimento a projetos importantes; manter em dia fornecedores de serviços de todas as secretarias e o pagamento, pela primeira vez na história de Itagimirim, do 13º de todos os servidores sem excluir contratados e nomeados. Epaminondas pediu vista ao projeto que estava sendo votado sob caráter de urgência e não cabia esse recurso.

O presidente da Câmara, Valdirinei dos Santos (DEM), numa manobra de articulação política e sem querer se comprometer com a população, que compareceu em massa, não concedeu vista ao vereador, mas adiou o julgamento, que no final, deu o mesmo resultado mas de maneira sinônima. 

A atual administração tem gerido a cidade com apenas 30% de dotação orçamentária. 

A atitude dos vereadores de empurrar a votação pode significar irresponsabilidade com a população e com o desenvolvimento da cidade.

“Itagimirim está no caminho do desenvolvimento. Para continuarmos precisamos da dotação orçamentária. Estamos fazendo o nosso trabalho dentro da legalidade e com responsabilidade com o município e com a nossa população. As portas da prefeitura estão sempre abertas para todos os vereadores fazerem o trabalho para que foram eleitos, que é fiscalizar. Não é impedir serviços e benefícios. É agir pelo bem comum”, enfatizou o prefeito Luizinho.

Bahia na net
Bahia na net