O mundo está se acabando aqui no sul da Bahia, diz moradora, dez barragens estão sendo monitoradas - BAHIA NA NET - NOTÍCIAS

DESTAQUES

PUBLICIDADES

PUBLICIDADES

terça-feira, 28 de dezembro de 2021

O mundo está se acabando aqui no sul da Bahia, diz moradora, dez barragens estão sendo monitoradas


O mundo está acabando aqui no Sul da Bahia e ninguém vê a gente”. O desabafo de Lorena Vicente, de 24 anos, resume o que vem acontecendo desde a véspera de Natal na região, que sofre a pior inundação dos últimos 35 naos. Dezoito pessoas morreram, 72 cidades estão em situação de emergência —37 delas ficaram submersas — e mais de 480 mil foram afetadas pelas chuvas torrenciais de alguma forma.

Destino turístico muito procurado durante o verão, o Sul da Bahia, há cerca de duas semanas, já havia registrado uma grande enchente. Neste fim de semana, duas barragens se romperam: no sábado, em pleno Natal, o rompimento foi em Vitória da Conquista e, ontem, em Jussiape, na Chapada Diamantina. O nível do Rio Cachoeira, um dos maiores do Sul da Bahia, subiu mais de 10 metros, e Itabuna e outras cidades do entorno foram completamente alagadas. A pressão da água sobre a ponte principal de Itabuna foi tão grande que ela ameaça desabar e foi interditada. Ontem, a água borbulhava por entre as frestas do concreto da estrutura, deixando moradores apavorados. Parentes de Lorena, que moram no bairro Gogó da Ema, um dos mais afetados, perderam tudo.


— Meus pais foram levar roupas para o meu primo, para a esposa dele e para o filhinho deles. E voltou a chover forte — disse Lorena, moradora do bairro Monte Cristo.

Resgate feito em botes

No condomínio Cidadelle House, um bairro planejado de classe média entre Itabuna e Ilhéus, que abrange uma área de 378 mil metros quadrados, muitas pessoas ficaram ilhadas e, em desespero, apelavam para que a própria população os resgatasse. De barco e até de jet ski, grupos de voluntários ajudavam nos resgates. Ilhada por dez horas, Júlia NettoP foi salva, no fim do domingo, em uma moto-aquática. Ela estava no segundo andar do imóvel porque o primeiro estava mergulhado em água.


— Sem palavras para agradecer aos meninos que nos tiraram daqui — afirmou, aliviada.


Morador de Itabuna, Itamar Júnior, de 24 anos, disse que estava presenciando algo inédito. De acordo com ele, até agora, a memória dos moradores mais antigos era de uma inundação em 1967


— É surreal. A ponte da cidade está irreconhecível.

A imagem de um idoso sendo retirado de casa por voluntários num barco, com água pelo pescoço, foi compartilhada nas redes sociais com pedido de socorro. A chuva castiga a região há mais de um mês. Além dos mortos, a Defesa Civil estadual estimava, à tarde, que havia 286 feridos, 16 mil desabrigados e 19.580 desalojados.


Uma série de vistorias técnicas foram feitas nos últimos dias para verificar o estado das barragens. De acordo com o coronel Jadson Almeida, assistente do comando-geral do Corpo de Bombeiros da Bahia, a corporação monitora cerca de dez barragens do estado:


—Em alguns locais, não houve rompimento, mas a água da barragem transbordou. Então, retiramos famílias de suas residências de forma a protegê-las — observou o comandante. — A informação que temos é que é uma situação que não ocorre há 32 anos. Eu nunca vi isso na carreira, um volume tão grande de chuva atingindo tantas cidades ao mesmo tempo.


Os municípios mais afetados foram Itabuna, Ilhéus, Itabela, Jucuruçu, Itororó, Itamaraju, Milagres, Mutuípe, Prado, Ubatã, entre outras. Em comunicado, o governador Rui Costa informou que as regiões mais críticas eram o Sul e o Sudoeste do estado.


—Estamos mobilizando todas as nossas forças — disse Costa, que montou uma base de apoio em Ilhéus e, durante uma reunião, acertou ajuda de pelo menos quatro estados, Maranhão, Rio Grande do Norte, Minas Gerais e Espírito Santo. São Paulo decidiu enviar em apoio 14 homens, entre bombeiros e homens do Comando de Aviação da Polícia Militar.


O governo estadual convocou o Conselho Nacional de Corpos de Bombeiros Militares do Brasil (Ligabom) para auxiliar nas tomadas de decisão. Ministro da Cidadania, João Roma sobrevoou a área e, em seu perfil no Twitter, disse que era “crucial” prestar socorro e preservar vidas sem levar em conta diferenças políticas: “Sabemos que existem posições políticas distintas, mas a população pede socorro e quem pede socorro não quer saber de onde vem ajuda”. Pelas redes sociais, as cantoras Preta Gil e Pocah pediam doações para as vítimas das enchentes.


Há duas semanas, o presidente Jair Bolsonaro chegou a fazer um sobrevoo no Sul da Bahia e prometeu verba para a reconstrução dos municípios mais afetados. As chuvas devem continuar nos próximos sete dias.



Fonte: Oglobo

PUBLICIDADES

Responsive Ads Here