A variante ômicron do coronavírus apresenta muito mais mutações que a cepa delta, segundo uma primeira "imagem" da mesma, realizada e publicada pelo hospital Bambino Gesù de Roma. Nesta "imagem" tridimensional, parecida com uma cartografia, "vemos bem que a variante ômicron apresenta muito mais mutações que a variante delta [que ainda apresenta um grande número de mutações], concentradas principalmente na região da proteína que interage com as células humanas", explicou a equipe de pesquisadores em um comunicado publicado neste domingo (28).

"Isso não quer dizer automaticamente que essas mutações são mais perigosas, diz simplesmente que o vírus se adaptou mais uma vez à espécie humana gerando outra variante", informaram os pesquisadores. "Outros estudos nos dirão se essa adaptação é neutra, menos ou mais perigosa".

A equipe de pesquisa do renomado estabelecimento Bambino Gesù se concentrou na busca por mutações a nível "da estrutura tridimensional da proteína spike", explicou à AFP Claudia Alteri, professora de microbiologia clínica na Universidade de Milão e pesquisadora no hospital romano citado. Essa proteína, que é a parte do vírus "que se estuda com mais atenção", é "responsável pelo reconhecimento do receptor humano e da entrada do vírus dentro das células". "É na spike que os anticorpos monoclonais agem e, consequentemente, as vacinas", destacou. A imagem foi feita "a partir da análise de sequenciamentos dessa nova variante fornecidas à comunidade científica" e procedentes principalm.

"A partir de agora, será importante definir, mediante experimentos de laboratório, se a combinação dessas combinações pode ter um impacto na transmissão ou na eficácia das vacinas, por exemplo", considerou.


Fonte: UolNoticias

Bahia na net
Bahia na net