Mas cadê as provas? Circo armado contra a prefeitura de Itagimirim tem a lona rasgada

quinta-feira, 23 de setembro de 2021

/ Por: ...

Por: Bahiananet.com.br

Quando é descoberto “um dos maiores esquemas de corrupção do estado”, envolvendo ainda mais a administração pública, o mais lógico é que esse esquema criminoso seja anunciado pelas polícias, justiça, mostre os envolvidos, as provas, quando começou, onde começou e que a própria justiça confirme essa existência. 

Será que esse site fez uma piada ao divulgar, sem nenhuma prova ou investigação oficial dos órgãos competentes que um dos “maiores esquemas de corrupção da Bahia”, aconteceu em Itagimirim e encabeçado pelo prefeito da cidade, Luizinho (PODEMOS), por cerca de R$300 mil reais e não por milhões? 

E um esquema dessa “magnitude” ser descoberto, antes da polícia e Ministério Público, pelo proprietário desse site que, por apenas intuição, estava no lugar certo e na hora certa da sessão de licitação, mesmo morando em uma cidade vizinha, para desmascarar um grande escândalo e crime?

Mas e cadê as provas? Se foi piada, foi de mal gosto e terá resposta na justiça. Foi o que garantiu e já iniciou o prefeito Luizinho após sofrer fakenews e suposta tentativa de armação e entrave no processo licitatório para obras no Colégio Municipal Othoniel Ferreira dos Santos. O anúncio foi feito pelo prefeito Luizinho durante uma entrevista ao vivo na rádio comunitária da cidade acompanhada por centenas de ouvintes, nesta quinta-feira, 23 de setembro. 

Durante a entrevista, o prefeito apresentou, com autorização policial, um vídeo com imagens das câmeras de circuito interno e monitoramento da sala de licitações da prefeitura que mostram o momento em que os representantes das empresas Viver Empreendimentos e Serviços Eireli; Royalli Construções e Serviços LTDA, que sustentam a “o grande furo de reportagem”, mexem e forçam todas as quatro extremidades dos lacres dos envelopes entregues para conferência no momento da sessão. Isso, por cerca de pelo menos 20 minutos. 

Todo o caso já está sobre os cuidados da justiça e da polícia. O processo de licitação foi suspenso e os documentos lacrados e encaminhados para a perícia da Polícia Civil além de lavrado um boletim de ocorrência. Em breve, as medidas cabíveis serão aplicadas aos envolvidos na armação além do possível crime contra a administração pública ao tentar travar ou paralisar um processo licitatório.

Sem comentários

Enviar um comentário

Mais
© EQUIPE DE IMPRENSA
EMPRESA MJM COMUNICAÇÃO E PUBLICIDADES CNPJ: 40.198.174/0001-25.